Os Ataques de 11/09: A ausência de destroços – [enigmasonline]

Os Ataques de 11/09: A ausência de destroços

 

pentagonxox30 ceticismo

Artigo original em 11-S: Análisis crítico – Hechos y leyendas sobre el atentado que cambió el mundo
Tradução gentilmente autorizada. Colaboração de Vitor Moura

Uma pergunta que está na boca de muita gente que não acredita na versão oficial em torno do vôo 77 é: como é possível que depois de uma colisão como a que se supõe que tenha ocorrido no Pentágono não sobrassem restos visíveis do avião, como se vêem claramente em outros acidentes aéreos?

Antes de responder, analisemos o que se pode esperar de um impacto como o que se supõe ter ocorrido no Pentágono.

Um aparelho de uns 100.000 kg de massa colide a uns 850 km/h contra um muro reforçado. Podemos esperar que ele resvale e sobrem restos muito grandes e reconhecíveis espalhados ao redor do ponto de impacto? Definitivamente, não. Num experimento realizado pelos laboratórios Sandia em 1988 em que um F-4D Phantom é lançado contra um muro (o vídeo está disponível também no YouTube) a uma velocidade similar (770 km/h), vê-se como a parede “engole” o avião sem que o que sobre sejam restos reconhecíveis, exceto principalmente fragmentos de concreto e outros de pequeno tamanho (nota importante: esse avião não levava querosene; os tanques estavam cheios de água).

A parede do Pentágono não pôde resistir à tremenda energia do impacto, por isso quase todo o avião, especialmente as partes mais pesadas, atravessa o muro e fica no interior. Algumas partes do avião que cedem mais facilmente e são pouco pesadas, e quiçá algumas outras a esmo, podem resvalar para fora ou sair despedaçadas pela onda expansiva.

Uma vez penetrado o muro, o avião (ou o que resta dele) encontra-se com uma multidão de colunas em seu caminho, que vão freando muitas peças. Se alguma das peças encontra um caminho livre de colunas, ou se derruba sem dificuldade as poucas com que colide e é muito pesada, pode chegar aatravessar mais um muro, tal e como sucedeu na Torre Sul.

Agora resta saber em que medida o esperado corresponde com o observado. Havia restos de avião no Pentágono? Estavam distribuídos como se podia esperar dadas as circunstâncias?

Desde já, sim, havia restos da cobertura de fuselagem (que cede facilmente e é pouco pesada, por ser de alumínio) pelos arredores do ponto de impacto:

pgimeno trozo fuselaje ceticismo
Fragmento de fuselagem (a versão em alta resolução está disponível na
fonte original).

Observe-se também o fragmento que há à sua direita, que também parece pertencer à fuselagem ainda que não pareça ser de alumínio, e todos os fragmentos brilhantes que há em segundo plano.

Aqui uma vista do mesmo fragmento de outro ângulo, já que a imagem anterior suscitou dúvidas com respeito à cor, o que seguramente é devido à estranha iluminação produzida pela nuvem de fumaça e a contraluz. Também se vêem outros fragmentos espalhados pela grama:

pgimeno trozo vista trasera ceticismo

Outro fragmento em segundo plano:

pgimeno restos1 ceticismo
(
fonte)

A seguinte fotografia mostra alguns destroços que são retirados, e em segundo plano o que parece o mesmo fragmento da imagem anterior:        
pgimeno restos2 ceticismo

Este disco parece pertencer a um motor. Está no exterior, mas é muito provável que fora tirado do interior do edifício durante a limpeza que a equipe de resgate precisava realizar para poder chegar aos corpos:

pgimeno disco ceticismo
(
fonte)

Mais sobre este disco em: O disco.

Mais restos sendo retirados:

pgimeno restos3 ceticismo

Mais fragmentos de fuselagem dispersos:

pgimeno restos5 ceticismo
(
imagem original em alta resolução)

Observe-se como alguns destroços estão do lado oposto do local em que se produziu o acidente. Isto corroboraria as declarações de algumas testemunhas de que “choviam” fragmentos.

Outro fragmento que é retirado. Ao fundo, junto à parede, o “c” do logotipo “American” da fuselagem:

pgimeno restos4 ceticismo

Esse “c” causou certa controvérsia porque parece ser que foi movido para lá em algum momento durante a retirada dos restos, já que não estava nos instantes posteriores ao ataque como se viu na imagem anterior. A julgar pela posição do sol e o tamanho aparente das sombras, esta última fotografia pode ter sido tirada entre as 17 e as 20 horas aproximadamente, mas não estamos seguros sequer do dia.

Um membro do NTSB (National Transportation and Safety Board, que são os encarregados de pesquisar os acidentes aéreos) examina vários fragmentos:

pgimeno agente NTSB ceticismo
(Disponível em alta resolução na
fonte original)

Restos variados; no primeiro se vê o logo da American Airlines:

pgimeno AA serial ceticismo
(
fonte)

pgimeno restos6 ceticismo

pgimeno restos7 ceticismo

pgimeno restos8 ceticismo

pgimeno restos9 ceticismo

pgimeno restos10 ceticismo

pgimeno fragmentos helipuerto ceticismo

Para entender algumas destas fotografias, convém saber que em muitas peças do avião, especialmente da fuselagem, costuma-se utilizar uma capa protetora de cromato de zinco, que segundo a composição exata adquire uma cor verde ou amarela características, tal como se vê aqui:

pgimeno verde amarillo ceticismo

E agora vejamos que apareceu no interior. Já antecipamos a imagem de um disco provavelmente pertencente a um dos motores e que seguramente se achava dentro do edifício.

Desafortunadamente, os militares não se caracterizam precisamente por sua transparência e abertura, assim não dispomos de documentação tão abundante do que se encontrou no interior. Mas ao menos temos o seguinte (fonte):

pgimeno pieza motor ceticismo

(note-se o fragmento de cor amarela à esquerda). Esta peça parece corresponder-se à perfeição com a carcaça da câmara de combustão de um RB211-535:

pgimeno combuster case ceticismo

Também encontramos esta peça do trem de aterrissagem:

pgimeno tren aterrizaje ceticismo

Além disso, também há uma imagem de uma das “caixa pretas”, o gravador de dados de vôo:

pgimeno aa77 fdr ceticismo

No juízo contra Zacarías Moussaoui também se mostraram como provas, além dessas, as seguintes fotografias:

pgimeno aa77 cvr ceticismo
Gravador de voz na cabine do vôo 77 que ficou irrecuperável.

pgimeno zacarias carbonizados ceticismo

pgimeno zacarias motor ceticismo

Há umas poucas mais em uma página dedicada a expor as provas. Também há mais algumas nareferência citada anteriormente.

Não sabemos exatamente o que causou o buraco de saída. Parece que o trem de aterrissagem dianteiro poderia estar relacionado, mas não dispomos de uma análise dos montões de sucata e entulhos que apareceram atrás. Sim, sabemos que ali havia fragmentos do avião, concretamente um envoltório metálico da roda do trem de aterrissagem (com um círculo vermelho na primeira imagem) e outros restos da cor verde característica (com um círculo vermelho na segunda imagem):

pgimeno agujero salida rueda ceticismo

pgimeno restos agujero salida ceticismo

Detalhe da peça metálica central da roda da primeira imagem (fotograma do documentário Pentagon Under Fire):

pgimeno rueda ceticismo

E isto não sabemos se estava no interior e foi levado ao corredor, ou se estava fora, mas em todo caso se distingue um (mastro, torre?) do trem de aterrissagem na parte esquerda (marcado com um círculo):

pgimeno tren aterrizaje agujero salida ceticismo

Resumindo: é verdade que parte destas evidências poderiam ter sido colocadas propositalmente no lugar (não todas: havia muitas testemunhas presenciando a cena); é verdade que a origem de algumas fotografias não está clara o bastante para saber-se com certeza se procedem de onde se diz que elas procedem. Mas em qualquer caso, não há fundamentos para perguntar “onde está o avião”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s